quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Guia de Viagem a Madri - Mapa das principais atrações turísticas de Madri

 Veja as Atrações em "Mais informações"


A. Plaza Puerta del Sol - uma das portas de entrada da cidade no século 15, é um dos espaços públicos mais representativos e o marco zero da cidade, região com intensa concentração de pessoas, importante centro comercial, principal ponto de manifestações populares e lugar de passagem obrigatória para turistas. Aproveite para fazer uma foto junto do Urso e o Arbusto (El Oso y el Madroño), estátua construída em bronze, que é um dos símbolos de Madri, da estátua de Carlos III e do relógio da praça (Casa de Correos), onde os madrilenhos e turistas se reúnem para a contagem regressiva da chegada do ano novo. (Metrô: Sol).

B. Plaza de Cibeles - interseção das Calle de Alcalá (que a cruza de leste a oeste) com o Paseo de Recoletos (ao norte) e o Paseo del Prado (ao sul). Este lugar, um dos mais simbólicos da capital, divide os limites dos bairros Centro, Retiro e Salamanca. Na região você vai conhecer:
Fuente de Cibeles – construída no final do século XVIII, a fonte possui a estátua da deusa romana Cibeles, considerada a mãe da natureza e da fertilidade, conduzida em uma biga puxada por dois leões, Hipômenes e Atalanta. Na Plaza Cibeles os torcedores do Real Madrid se concentram para comemorar suas vitórias (Metrô: Banco de España);
Palácio de Cibeles – construído, no início do século XX, para sede dos Correios e Telégrafos, o Palacio de Telecomunicaciones foi adquirido em 2003 pelo prefeito de Madri, reformado e transformado na sede da prefeitura, com o nome de Palácio de Cibeles. Recebeu um espaço cultural gratuito,o CentroCentro, que oferece exposições, espaços de debate e programações especiais. O mirante da prefeitura é uma atração obrigatória (Metrô: Banco de España).

C. Plaza de la Leaitad – Praça com um pequeno jardim que costuma passar despercebido devido aos edifícios que o rodeiam, a Bolsa e o Hotel Ritz. Trata-se de uma verdadeira joia vegetal ao lado do Passeio de El Prado. Embora seja um espaço reduzido, acolhe variadíssimas espécies perfeitamente cuidadas. No centro, com cerca circundante, está o monumento aos Caídos ou Heróis de 2 de maio de 1808, com a sua chama sempre acesa.

D. Plaza del Emperador Carlos V – denominada após Carlos V, imperador romano, que também reinou na Espanha como Carlos I. É comumente conhecida como Plaza de Atocha, porque é onde a estação ferroviária de Atocha está localizada. Outros marcos importantes da praça são o Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía e do edifício do Ministério da Agricultura, bem como uma estátua de 19 do século político Claudio Moyano.

E. Plaza de la Independencia - é um grande conjunto na entrada do Parque do Retiro, pulmão verde da capital espanhola. No centro da praça a notável Porta de Alcalá, monumento emblemático de Madri. Obra do arquiteto Sabatini, foi encomendada pelo rei Carlos III. Seu nome vem de sua localização, no caminho que levava à cidade Alcalá de Henares.

1. Plaza de España – é uma das praças mais agitadas de Madri. Nela fica o Edifício España que, com seus 26 andares, foi considerado por muito tempo o mais alto do mundo. Destacam-se também a estátua de Miguel de Cervantes e uma escultura de Dom Quixote e Sancho Pança (Metrô: Plaza de España).

2. Palácio Real de Madrid - é a residência oficial do Rei da Espanha apesar de ser utilizado somente para ocasiões de gala, almoços, recepções oficiais, entregas de prêmios e audiências, já que a Família Real optou por viver no modesto Palácio da Zarzuela. É considerado o maior palácio real da Europa, com uma área 135 mil m² e 2.800 quartos, sendo aberto para visitações pouco mais de 50 quartos. Se você estiver em Madri na primeira quarta-feira do mês (exceto agosto, setembro ou se o dia estiver chuvoso) não deixe de assistir a solene troca da Guarda Real no palácio, que acontece às 11:00 horas e participam mais de 400 guardas e 100 cavalos. Horário de visitação: das 9:30 da manhã até as 17 horas. O palácio fica aberto para visitação até as 18 horas durante o verão. Nas proximidades encontram-se a Plaza de Oriente, com a estátua equestre de Felipe IV, e Teatro Real. (Metrô: Ópera). Site Oficial

3. Teatro Real de Madrid – é o teatro da Ópera de Madri, considerado um dos mais importantes da Europa. Está localizado na Plaza do Oriente, em frente ao Palácio Real, e é considerado um dos monumentos mais emblemáticos de Madri. Se possível, programe-se para assistir a um espetáculo. Se não conseguir, faça uma visita guiada para viajar no tempo e se encantar com o local. Visite o 6° andar, pois a vista para o jardim que fica na frente do Palácio Real é espetacular. Site Oficial

4. Real Monasterio de las Descalzas – o mosteiro ocupa o espaço do palácio onde moraram Carlos I e Isabel de Portugal. A filha do casal, Juana, já viúva do Príncipe de Portugal, fundou o convento de monjas franciscanas. Na clausura, se preserva a estrutura e objetos decorativos do palácio real. Juana e a irmã, Maria, também viúva, moraram no mosteiro. Plaza de la Descalzas (Metrô: Ópera).

5. Museo de la Real Academia de Bellas Artes de San Fernando - é uma das maiores fundações de apoio às artes, essencialmente, à pintura e à escultura, e de mecenato cultural espanholas. Possui em seu acervo pinturas de artistas espanhóis, italianos e flamencos, além e esculturas. Calle de Alcalá 13 (Metrô: Sol e Sevilla). Site Oficial 

6. Iglesia de San Guinés - localizada na Calle Arenal, é uma igreja dedicada ao santo francês San Guinés de Arles. Não subestime a construção em típicos tijolinhos madrilenhos. Esta é uma das mais antigas igrejas de Madri, construída em 1645 sobre os restos do que se acredita ser uma capela muçulmana. Feita a partir de um projeto de Juan Ruiz, sofreu várias restaurações e modificações ao longo de sua história (Metrô: Callao, Ópera e Sol).

7. Catedral de Nuestra Señora de la Almudeña – a construção da catedral demorou 110 anos, de 1883 a 1993, em função de diversas paralisações e mudanças de arquitetos. Com 75 metros de altura, possui o interior neogótico e o exterior neoclássico (Metrô: Ópera).

8. Ayuntamiento (Prefeitura) – admire a arquitetura da antiga prefeitura de Madri ou visite seu interior para ver o local onde os conselheiros administraram a cidade por mais de 300 anos. A Casa de la Villa de Madri foi utilizada como prefeitura da cidade entre 1696 e 2007. Projetada pelo famoso arquiteto Juan Gómez de Mora na metade do século XIX, ela só foi completada após o final desse século, bem depois de sua morte. O edifício domina a Plaza de la Villa em um dos bairros mais antigos de Madri: Los Austrias. Caminhe pela praça e admire a maravilhosa fachada do edifício e a estátua do Almirante Álvaro de Bazán, em frente ao local.
Acessível a partir da Plaza Mayor ou do Palácio Real (Metrô: Ópera e Sol).

9. Casa de Cisneros – magnífico palácio localizado na Plaza de la Villa, é uma construção datado de 1537 e que, apesar das modificações realizadas com o passar do tempo, ainda tem as características históricas. Foi construído pelo sobrinho do famoso Cardeal Cisneros, Benito Jiménez de Cisneros (Metrô: Ópera).

10. Plaza Mayor – praça que já abrigou touradas, execuções, cortejos, julgamentos da inquisição e a beatificação do patrono de Madri, Santo Isidro. Um bom lugar para passar o final da tarde. Muita gente fica sentada no chão, bem no centro da praça, para conversar, comer e fazer um som. É repleta de lojas, cafés e restaurantes. A estátua de Felipe III e a Casa de la Panaderia são seus símbolos (Metrô: Sol).

11. Plaza de Santa Ana – conhecida pelos barzinhos e pela intensa vida noturna. Entre os monumentos, destaca-se a estátua de mármore de Calderon de la Barca (Metrô: Sevilla e Antón Martin).

12. Museo Thyssen-Bornemisza – grande pinacoteca de Madri, que oferece um percurso completo pela história da pintura europeia dos séculos XII a XX. Os visitantes poderão apreciar cerca de mil quadros, incluindo 220 obras da Coleção Carmem Thyssen-Bornemisza, além de exposições temporárias (Metrô: Banco de España). Site Oficial

13. Museo del Prado – um dos maiores e mais completo do mundo, com as melhores obras das escolas espanhola, italiana, alemã e flamenca, assinadas por mestres como Goya, Velasquéz, El Greco, Rubens e Bosch. São cerca de 5 mil desenhos, 700 esculturas e 8.600 pinturas. Também estão em exposição moedas, medalhas, desenhos, gravuras e peças de arte sacra. Ao lado do museu, o Real Jardim Botânico é o melhor lugar para desfrutar (Metrô: Banco de España). Site Oficial

14. La Colegiata de San Isidro - San Isidro é o patrono da cidade de Madri. A igreja, em estilo barroco, abriga os restos mortais do santo e foi a catedral de Madri até a igreja Nuestra Señora de la Almudeña ser concluída. O edifício da igreja corresponde ao antigo Colégio Imperial de la Compañia de Jesus, do século 17 (Metrô: La Latina).

15. Real Iglesia de San Andrés – templo em estilo barroco, localizado no bairro La Latina, é uma das mais antigas de Madri, já que se tem conhecimento dela como paróquia desde o século XII, ainda que a atual construção seja do final do século XVII. O nome surgiu em homenagem ao Apóstolo San Andrés. No interior encontra-se a capela onde foi enterrado San Isidro e onde originalmente era a sua casa. Plaza San Andrés (Metrô: La Latina).

16. Basílica de San Francisco El Grande – onde é a Basílica hoje, foi uma igreja dedicada a Santa Maria. Em 1217, conta a tradição, São Francisco teria usado essas instalações para fundar o convento. O domo, de 33 metros de diâmetro, é o maior da Espanha e um dos maiores da Europa. Ao redor da basílica há outras três capelas, sendo que uma delas, a de San Bernardino de Siena, possui um quadro de Goya, que pintou San Bernardino em oração. Plaza de San Francisco (Metrô: La Latina e Puerta de Toledo).

17. Museo Centro de Arte Reina Sofia – Aproximadamente 16.200 peças de obras de artes moderna e contemporânea, entre pinturas, esculturas, vídeos, fotografias, peças decorativas e arquitetônicas. O museu abriga o quadro Guernica (1937) de Pablo Picasso, que representa o bombardeio da cidade do mesmo nome pelos alemães, durante a guerra civil espanhola (1936 – 1939), além de obras de Miró, Dalí, entre outros (Metrô: Atocha).

18. Estación de Atocha – é a principal estação de metrô, ônibus e trens de Madri. Os trens podem ter como destinos cidades próximas ou os de alta velocidade para cidade mais distantes. Plaza del Emperador Carlos V. Site Oficial

19. Museo Arqueológico Nacional - O museu está instalado no Palácio de Bibliotecas e Museus, um edifício do século XIX, concebido pelo arquiteto Francisco Jareño e finalizado por Antonio Ruiz de Salces, localizado na rua Serrano, junto à Plaza de Colón. Próximo a esse edifício está também a Biblioteca Nacional. O Museu foi estabelecido por decreto real de Isabel II, de 20 de março de 1867, e inaugurado em 9 de julho de 1871, pelo rei Amadeu I (Metrô: Serrano). Site Oficial

20. Museo Municipal - instalado no antigo Real Hospício de São Fernando, do século 18, foi modernizado no seu interior e conservou a bela fachada barroca. Para salvar da demolição, a prefeitura o comprou o prédio em 1920 e anos depois transformou-o no Museu Municipal, que agora foi repaginado em Museu de História. Através de quadros, gravuras, objetos e maquetes, podemos ver a evolução urbana de Madri desde que foi escolhida para ser capital da Espanha por Felipe II, em 1561.

21. Templo de Debod - Construção egípcia da época ptolemaica, com mais de 2.000 anos de antiguidade, oferecida pelo governo egípcio à Espanha por sua colaboração no traslado de monumentos durante a construção da represa de Assuã. Foi transportado pedra a pedra a partir da Baixa Núbia. A partir daqui é possível contemplar o melhor por-do-sol da cidade.

Outras atrações turísticas imperdíveis:

Bairro de Las Letras – também chamado dos Literatos, seu nome deve-se à intensa atividade literária que se desenvolveu ao longo da época conhecida como o Siglo de Oro (Século do Ouro Espanhol de XVI e XVII, renascimento e barroco, respectivamente). Estabeleceram residência no local alguns dos mais famosos escritores de sua literatura, como Cervantes, Lope de Vega, Quevedo, Góngora, etc. É imprescindível visitar o Ateneo e o Museu Casa de Lope da Vega. Comece a visita a partir da Praça de Santa Ana, criada na época em que José Bonaparte, irmão de Napoleão, assumiu o governo do país. Para tanto, mandou derrubar o antigo Convento de Santa Ana em 1810, fundado por San Juan de La Cruz em 1586. Num dos extremos da praça, situa-se o Teatro Espanhol, antigo Teatro ou Coral dos Príncipes, inaugurado em 1583, onde foram representadas muitas obras de Lope de Vega e Calderón de la Barca (Metrô: Antón Martín).
   
Calle de Alcalá – ligando a Puerta del Sol à Puerta de Alcalá, portão da cidade, é uma das principais artérias de Madri, tanto quanto ao tráfego como ao comércio. É a mais antiga e com mais de 10 quilômetros de extensão. A Real Academia de Belas Artes, o Cassino, o edifício Metrópolis, o Círculo de Belas Artes e o Instituto Cervantes são imprescindíveis conhecer na região (Metrô: Banco de España).
   
Calle del Arenal - é uma rua pedonal (de pedestres), uma das artérias mais importantes do centro da cidade, caracterizada pelas suas lojas, pela igreja de San Guinés, a Ópera e duas das mais famosas discotecas, a Joy Eslava e o Palácio de Gaviria (Metrô: Ópera).
   
Calle de Preciados – rua de compras mais famosa de Madri (Metrô: Callao e Sol).
  
Cava de San Miguel – rua junto ao Mercado de San Miguel, templo para gourmets, repleta de restaurantes típicos. O Arco de Cuchilleros dá acesso à Plaza Mayor (Metrô: Sol).
   
Cuesta de la Veja – localizado sobre um dos barrancos que serviram de defesa natural à cidade muçulmana de Mayrit, com ruínas da muralha árabe (Metrô: Ópera).
   
Edifício Metrópolis – inaugurado em 1911, em estilo francês, o edifício foi sede da seguradora “La Unión y el Fénix”. A torre do prédio sustenta uma cúpula, onde ficava uma estátua da ave Fenix, símbolo da empresa. Em 1972, o edifício foi vendido para a companhia Metrópolis. O local, então, recebeu o nome da nova proprietária e teve a Fénix substituída por uma vitória-régia. Gran Via com Calle de Alcalá, 39 (Metrô: Banco de España e Sevilla).
  
Estádio Santiago Bernabéu – é o estádio oficial do time Real Madrid. Inaugurado em 1947, o local tem capacidade para mais de 76 mil torcedores (Metrô: Santiago Bernabéu).
   
Fuente de Neptuno – foi desenhada pelo artista Ventura Rodriguez a pedido de Carlos III para embelezar essa região de Madri. A fonte possui em seu centro uma estátua do deus Netuno, esculpida em mármore branco. Plaza Cánovas de Castillo (Metrô: Banco de España).
   
Gran Via – com o crescimento da capital, o governo planejou uma grande avenida que chegasse aos limites da cidade na época. Embora a ideia da via seja de 1860, o projeto foi aprovado somente em 1904 e foi pavimentada em três fases. A última terminou em 1929. Por ter sido construída em diversas fases e planejada por diferentes arquitetos, os estilos dos prédios são diferentes. A Gran Via começa na Plaza de España e vai até a Calle de Alcalá. (Metrô: Plaza de España, Santo Domingo, Callao, Gran Via e Banco de España).
   
Monastério de la Encarnación – mosteiro fundado por Felipe III e sua esposa Margarita de Áustria, em 1611. O local abriga pinturas e esculturas dos séculos 17 e 18, de Carducho, Lucas Jordán e Pedro de Mena. Destaque para o relicário, que conserva uma coleção de 700 peças feitas em bronze, marfim coral e madeiras vindas da Espanha, Itália, Alemanha e de outros países (Metrô: Ópera).
    
Parque del Retiro – Pulmão verde da cidade, com lago, o Palácio de Cristal, o Palácio de Velasquéz e a fonte do Anjo Caído. Para quem gosta de fazer caminhadas ao ar livre, descansar sob às arvores, andar de patins ou bicicleta e passear de barco a remo. Local muito bonito que vale a pena visitar (Metrô: Retiro, Ibiza ou Atocha).
   
Plaza de la Provincia – localização do Palácio Santa Cruz, de 1629, onde já funcionou a penitenciária da Corte e atualmente abriga o Ministério de Assuntos Exteriores (Metrô: Sol).
   
Plaza de la Villa – considerada uma das mais belas de Madri e fica toda iluminada à noite. Está rodeada por edifícios históricos e, em seu centro, há uma estátua de Don Álvaro de Bazán (Metrô: Ópera ou Sol).
   
Puerta de Alcalá - Uma briga para mostrar quem podia mais, fez Carlos III construir a Puerta de Alcalá, iniciada em 1769 e concluída por volta de 1778, em substituição a outro portão mais discreto que Felipe III havia mandado erguer no século XVI. São cinco arcos, um ao lado do outro, com estátuas de anjos na parte superior (Metrô Retiro).

Nenhum comentário:

Postar um comentário