segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Guia de Viagem - Moedas e Cartões


“Quem converte não se diverte”


Analise se está preparado financeiramente para fazer uma viagem internacional. É prudente esperar um pouco para dispor de mais $$ (dólares, euros, libras etc) e aproveitar melhor a viagem. Lembre-se que além da passagem e hospedagem, será necessário dispor de dinheiro para transporte na cidade visitada (aluguel de carro, metrô, ônibus e taxi), alimentação, acessos às atrações turísticas e compras.

Os países da Europa não são bons para compras, porém se o seu destino for os Estados Unidos prepare a carteira e os cartões. Tenha controle para não retornar falido, pois a tentação é grande, mesmo em tempo de dólar alto.
Economicamente, é aconselhado viajar com dinheiro em espécie, desde que consiga adquirir a moeda a preço competitivo e tenha muito cuidado no transporte e manuseio. O IOF na compra de moedas estrangeiras é de 1,1%, enquanto nos cartões é cobrado 6,38%. Vale a pena consultar o site www.melhorcambio.com, que faz pesquisas em cerca de 200 corretoras, em 60 cidades brasileiras. 
Se decidir viajar com dinheiro, atente-se que se levar mais de R$ 10 mil ou o equivalente em outra moeda, você deve fazer a Declaração de Porte de Valores (DPV) e apresentar o comprovante de aquisição regular dos recursos em local autorizado pelo Banco Central a operar com câmbio.

Dica: Compre uma pequena pochete doleira, coloque os seus dólares, euros ou libras e use por dentro da roupa (sem moedas, para evitar perrengue no raio X do aeroporto). Um porta moedas também será imprescindível, pois você receberá muitas delas.

Outra opção é adquirir um cartão tipo “Travel Money”, que permite pagamentos e saques em caixas eletrônicos, na moeda local, e pode ser recarregado quantas vezes for necessário. O IOF para este cartão é de 6,38%.
Ainda tem a opção de utilizar o cartão de crédito internacional, mas, nesse caso, você será submetido às oscilações da moeda na data de pagamento da fatura e pagamento do IOF – Imposto sobre Operações Financeiras, de 6,38%. 
Antes de viajar, os cartões de crédito/débito precisam ser desbloqueados para uso no exterior (no site do banco,  nos terminais de auto atendimento ou com o seu gerente).
Tenha muito cuidado com os seus cartões de crédito ou de débito. No exterior, o chip e senha muitas vezes não têm aplicação. Passou o cartão, assinou na tela da máquina leitora, que nem é conferida, já foi concluído o pagamento. Para valores baixos não pedem identificação e senha (ID).
Para sua segurança, guarde cópia do cartão, com o telefone da Central de Atendimento, em local diferente do original e deixe outra cópia com uma pessoa de sua confiança no Brasil. 

Por que a  moeda estrangeira é mais cara?
Comparando a moeda estrangeira com a comercial percebe-se que a cotação turística é mais cara. Para a venda o valor é maior do que o valor comercial, enquanto para a compra com o valor inferior. Isto tem diversas razões:
-  - Existem custos envolvidos com o transporte da  moeda estrangeira, para abastecer bancos e casa de câmbio. Estes têm que ser mais frequentes porque a demanda é maior do que as moedas adquiridas nos mesmo local. 
-  - O IOF incide sobre a troca do Real pela moeda de outras países. Para a transação a taxa é 1,1%. Já para transação com cartão pré-pago é de 6,38%. 
-  - O mercado para a  moeda estrangeira é menos transparente e concorrido que outros serviços bancários que envolvem transações internacionais. Por isto existe sempre uma margem de lucro que é determinado pelo próprio banco ou pela casa de câmbio.

    É fato encontrar cotações diferentes da moeda estrangeira em locais diversos. Nos aeroportos, por exemplo, os preços são mais altos do que em agências bancárias e casas de câmbio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário